quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Da Série Reflexão: "FELICIDADE*FÉ*AMOR*RESPEITO*PAZ"






FELICIDADE*FÉ*AMOR*RESPEITO*PAZ

Hoje amanheci pensando na vida, no sentido de felicidade, de fé, da minha missão nesta vida, de como lido com minha fé, como o outro lida com sua fé e como respeita a fé alheia, a inquietação me trouxe a essas linhas, meio sem saber por onde começar, pois a cabeça borbulhava de idéias e meus dedos não são tão rápidos na digitação tal quais meus pensamentos. Aí iniciei o meu ritual diário, acendi os incensos pela casa, para trazer boas energias, bons fluidos, bons pensamentos. Estou sozinha em casa, é manhã de domingo e os vizinhos ainda não acordaram, então o silêncio é convidativo também, liguei o computador, remexi em alguns livros, coloquei o CD da Maria Rita, acho que os vizinhos não aguentam mais, gosto muito e eis que vejo na contra capa do Cd a imagem de uma pomba branca, com várias fitas coloridas a volta, com as seguintes palavras ao redor “Felicidade. Fé. Amor. Respeito. Paz”, pensei eis o sinal de meu primeiro texto do dia, e cá estou eu divagando entre meus pensamentos, minhas neuroses, minha inquietação com a vida, com os conceitos que nos são impostos ao longo da vida. Não sei se nesta ordem, mas vou arriscar seguir esta ordem: O que é felicidade? O que é fé? O que é amor? O que é respeito? O que é paz? Felicidade pra mim é estado de espírito, momentos de pequenas ou grandes alegrias, não há uma cartilha que conste lá, para ser feliz siga as seguintes instruções e ao final será feliz, ainda não vi receita, olha coloque esses ingredientes, mexa desta forma, ponha no forno, espere uns quarenta minutos e depois está lá a felicidade prontinha para você se servir e compartilhar com a família e os seus, ainda não vi nem ouvi dizer, olha se você fizer essa simpatia após três dias estará super feliz pelos próximos anos de sua vida, bom até aqui no auto de meus quarenta e dois anos vividos, ainda não vi receita para a felicidade, até porque para cada um ocorre de formas diferentes, por exemplo eu posso ficar feliz de sentir o cheirinho de chuva, de observar a chuva chegando e ficar ali na janela observando a chuva cair lá fora e isso ser uma grande felicidade para mim, contemplar a natureza e suas facetas, mas pode perguntar a várias pessoas o seu conceito de felicidade e te dirão coisas diversas. Vou ficando por aqui se não podemos criar um grupo de pesquisa para a felicidade, um artigo, tese, enfim é um assunto interessante. A fé, essa é outra questão que nem sei como e por onde começar. Eu tenho fé na vida, no outro, em mim, na minha força, na minha superação, em dias melhores. Mas definir a essência da fé, como ela nasce, como ela morre, não sei explicar, sei que sinto, creio nas minhas orações, nas sensações boas da vida, no olhar de paz do outro, nas lágrimas do outro, tenho fé em santo protetor, em orixá, nas forças da natureza, são tantas minhas demonstrações de fé, uma palavra tão pequena e com tanta força, tantos significados, foi essa fé que me fez levantar hoje e seguir em frente, foi essa fé que não me deixou ficar ali deitada de cara para a TV o dia todo. A fé nasce com o individuo, não tem regras, ou você tem ou não tem, simples assim. O amor, esse todos nós desejamos, sentimos, lutamos a favor e contra ao mesmo tempo. O amor para alguns é piegas, mas amamos as plantas, os animais, os filhos, os pais, a família, cada qual numa proporção, embora também não se tenha receita, ele nasce numa simples amizade, nasce num sopro de vida, nasce nem sei como, simplesmente nasce no peito de quem está vivo e tem alma nobre, que se enternece pelo simples sorriso do outro, ou pela dor do outro, quem vibra com alegrias, vitórias, conquistas, o amor está por ali rondando os seres, e quando vemos estamos amando, apaixonados. O amor é objeto de todo poeta, de todo escritor, de todo compositor, e ficamos tentando defini-lo, ainda que não consigamos, porém só o fato dele permear nossos pensamentos já vale pela complexidade que tem esse nobre sentimento. O respeito é o que todos nós devemos ter desde que vamos crescendo, e nos entendendo por gente, respeitar o outro, respeitar a si próprio. O respeito faz parte da convivência humana, mas tem sido o fomentador de conflitos, pois é uma coisa tão simples e tão difícil ao mesmo tempo. Acredito que viver sem respeito é a total prova de desequilíbrio e de desalinhamento do ser humano, porque começa pelo desrespeito ao espaço do outro, a fé do outro,  religião do outro,a cor do outro, a opção sexual do outro, a roupa do outro e por aí vai, o mundo seria muito melhor se fizéssemos esse exercício diariamente, o respeito. A paz, essa é desejada por todos, almejada por todos os povos, o mundo clama por paz, mais e você o que faz para ter paz? Existem umas coisas bem simples para termos paz, seguir seu ritmo, respeitar seus princípios, seguir sua intuição, não entrar na energia negativa do outro, tudo isso parece simples, só que infelizmente não é, e para isso também não tem receita, somente viver da melhor forma, sem ferir a ética, podemos conviver em paz nos ambientes.
Essas são minhas indagações, constatações, reflexões e movimento na vida para que eu consiga entender e vivenciar essas cinco palavras, cinco questões que nos cercam diariamente em nossas vidas. Façam as suas.

Elaine Marcelina

Rio, 28/02/2016



Nenhum comentário:

Deseja adquirir os livros de Elaine Marcelina! Confira os contatos da autora!!!!

Os livros: As coisas simples da vida e Mulheres incríveis 3 ed., estão à venda com a autora: Contatos com a autora: E-mail: elain...